Neuróbica e longevidade

Como exercitar o cérebro

Ambidestrismo faz bem

Como ganhar Vale-Joule, a moeda calórica que fortalece sua carteira?
Vida Longa: Viva Melhor & Viva Mais

Sabia que você pode ter um cérebro sempre jovem e preparado para vencer os diversos desafios que a vida lhe impõe diariamente? Não importa sua faixa etária, pois tanto na fase dos "inte", "inta" ou "enta" é possível treinar seus neurônios para mantê-los ativos, saudáveis e sarados.

Lawrence C. Katz e Manning Rubin, autores do livro Mantenha seu Cérebro Vivo (Editora Sextante), introduziram a neuróbica, um programa de exercícios para ativar os circuitos neurais e estimular a produção de nutrientes que desenvolvem os neurônios, fazendo com que eles permaneçam saudáveis por muito mais tempo do que se pensava antigamente.

A neuróbica está para o cérebro assim como a aeróbica está para o coração. Ou seja, nossos neurônios também precisam de exercícios para que permaneçam saudáveis e ativos em todas as etapas da nossa vida. Já foi comprovado cientificamente que a cabeça sedentária atrofia as células nervosas, fazendo com que a pessoa seja mais susceptível a doenças, tenha problemas de memória, dificuldade de aprendizado e outras tantas complicações.

Do mesmo modo que o tecido muscular cresce após o esforço decorrente de um exercício físico, os neurônios crescem quando estimulados adequadamente. Isso mesmo! O que cresce na célula nervosa são suas dendrites (os prolongamentos especializados em receber estímulos), ou seja, o neurônio passa a ter maior número de dendrites, e isso propicia um aumento significativo de conexões no cérebro, as chamadas sinapses. Consequentemente, as regiões cerebrais estimuladas ficam mais ativas e respondem melhor e mais rapidamente aos estímulos externos.

O Dr. Lawrence C. Katz, que foi professor de neurobiologia no Centro Médico da Universidade Duke e pesquisador do Instituto Médico Howard Hughes (EUA), pesquisou o efeito das neurotrofinas sobre o crescimento das células nervosas, trabalho este que foi amplamente reconhecido pela comunidade científica. Ele descobriu que, ao modificarmos a forma como fazemos uma coisa, ativamos a produção de neurotrofinas, pois nossos neurônios precisam se adaptar ao novo contexto.

O princípio básico da neuróbica é a quebra de rotina, ou seja, precisamos desafiar constantemente nossos neurônios, pois tudo que é fácil acaba ficando automático e não exige esforço por parte do nosso cérebro. Assim como os músculos, que podem ser treinados para ganhar mais potência, os neurônios podem ficar mais fortes, se exercitados continuamente. Quem frequenta uma academia de musculação sabe muito bem disso, pois a hipertrofia muscular está atrelada ao aumento de carga. Em outras palavras, quando o exercício fica fácil, é sinal de que não está resolvendo nada. Nossos neurônios também são assim. Se você fizer as coisas sempre do mesmo jeito, automaticamente, sem esforço algum, vai ter um cérebro limitado em alguns aspectos. Ou seja, vai responder prontamente na execução de algumas tarefas, mas não vai sair disso. Quando solicitado para um desafio maior, vai sentir a mesma dificuldade que um sedentário sente quando pisa pela primeira vez numa esteira ou bicicleta ergométrica.

A neuróbica proporciona mais tempo de vida para seus neurônios e mais qualidade de vida para você. Agora você deve estar se perguntando: Como faço a tal da neuróbica? Pois saiba que é bem mais simples do que fazer musculação ou qualquer outro exercício físico. Qualquer atividade inusitada que você faça no seu dia-a-dia é suficiente para exercitar seus neurônios. Por exemplo: Experimente usar mais a sua mão não dominante (se você for destro, use a esquerda, se canhoto, use a direita). Comece logo cedo, usando-a para se vestir, escovar os dentes, segurar a xícara de café, e uma infinidade de outras atividades diárias. Isso ativará novas conexões neurais naquelas regiões cerebrais que normalmente são pouco utilizadas por você. Desafios estimulam a produção de neurotrofinas no cérebro, as quais são responsáveis pelo crescimento dos neurônios. Por isso o treino do ambidestrismo é um excelente exercício neuróbico.

Segundo o Dr. John J. Ratey, neuropsiquiatra e professor da clínica psiquiátrica da Escola Médica de Harvard, autor do livro Cérebro, Um Guia para o Usuário (Editora Objetiva), "existem mais formas possíveis de conectar os neurônios do que átomos no universo." São tantas as combinações de circuitos neurais interligando as áreas especializadas do córtex, que o ser humano, habituado à rotina das atividades diárias, acaba utilizando apenas uma ínfima parte do seu potencial cerebral.

A neuróbica, além de proporcionar melhorias significativas na sua qualidade de vida, também otimiza seu processo de aprendizado e contribui para seu sucesso profissional. Lembre-se de que você tem um manancial de riquezas dentro da sua cabeça, e basta saber aproveitá-lo para viver mais e melhor.

Quer ver como você tem estimulado seu cérebro? Faça agora um check-up on-line. É grátis.

Para receber orientação pessoalmente, marque conosco uma sessão motivacional.

Leia mais sobre isso no livro Potência Cognitiva - como desenvolver competências através do treino perceptivo (Qualitymark Editora), de Ne Oliveira.

Veja também:
Curioso dado
Traduzir vida
Um banho de neuróbica
Plástica sem cirurgia
Meia lembrança
Ideia brilhante
Grande aliado
Menu inicial





Voltar

Copyright © Ne Oliveira. Todos os direitos reservados.